Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Brainstorming 2.0

Um blog que é basicamente um consultório de um psicólogo onde se fala de tudo sem restrições ou medos.

Brainstorming 2.0

Um blog que é basicamente um consultório de um psicólogo onde se fala de tudo sem restrições ou medos.

Direitos dos consumidores

   O telemóvel da minha mãe avariou e fomos ao meu antigo local de trabalho para ver opções. Acabámos por comprar um smartphone mas para séniores para ser mais fácil ela aprender a lidar com ele, visto que até agora só usou telemóveis mais simples de teclas. Já na loja, pedimos ajuda ao vendedor para nos esclarecer e ligar o telemóvel em exposição, porque ele nem a bateria tinha colocada. A única coisa menos positiva que foi dita pelo vendedor foi que o telemóvel não tinha muita memória mas para a minha mãe isso não faz diferença porque ela não tira fotos nem grava vídeos que é o que consome mais memória. Isso e que tinha 24 meses de garantia para defeitos de fabrico.

    Chegámos a casa e pedimos ao meu homem para configurar o telemóvel. Apesar de estarmos a fazer tarefas simples reparei que a bateria se estava a esvair num ápice, basicamente em 15 minutos em que estivemos a configurar o telemóvel, ele perdeu 28% de bateria! Ora assim não se ajustava às necessidades da minha mãe que tem de andar 8 horas no trabalho com o telemóvel para caso aconteça alguma emergência, as colegas conseguirem contactá-la e vice-versa. 

   Na nossa boa fé, voltámos à loja para fazer a troca por um smartphone com uma maior capacidade de bateria, mesmo que fosse mais complicado de lidar ou mais caro, depois ensinávamos a minha mãe a fazer o básico. Pois bem, a senhora do atendimento pós-venda referiu logo que isso não ia ser possível porque assim que abrimos a caixa, violamos o produto e não dá para devolver. Pedimos para chamar um responsável da loja que disse que não podiam fazer a devolução depois da caixa ter sido aberta e que devíamos ter consultado as condições primeiro. Perguntámos onde estavam as condições, ao que ele respondeu que estavam no papel que nos entregaram com o telemóvel e pediu à senhora do atendimento pós-venda para nos mostrar onde isso estava escrito. Afinal não estava no papel, estava no final do talão de compra apenas uma indicação que para as devoluções dizia "Consultar condições". Mas quais condições e onde as podemos consultar? Ninguém soube explicar. 

   O responsável ainda teve a descaradeza de dizer que quando vamos comprar algo já devemos saber o que vamos comprar para depois isto não acontecer! Se assim fosse, não precisava de ter pedido ajuda do vendedor quando lá fomos comprar o telemóvel, nem precisavam de lá ter ninguém a trabalhar, o próprio consumidor fazia tudo sozinho. O que me irritou mais foi a defesa deles de que era política da empresa e tinham de cumprir as regras e não queriam saber como as outras lojas agiam em termos de devoluções, mas quando fizeram a venda ninguém nos comunicou que não podíamos devolver o produto assim que a caixa fosse aberta. Se tivessem sido transparentes nesse aspecto, o mais provável era termos ido comprar noutro local com políticas de devolução menos rígidas.

   Segundo estas regras, eu que estava a pensar ir lá comprar um secador, primeiro lavo o cabelo em casa e vou à loja em seguida para experimentar o secador em exposição e certificar-me de que satisfaz as minhas necessidades e expectativas antes de o comprar, porque depois de o fazer e abrindo a caixa, já não posso devolver. Mas a questão com o telemóvel é, se o vendedor não explicou que a bateria daquele telemóvel era mais fraca em comparação com os outros, como é que nós em 5 minutos na loja íamos perceber que a bateria se gasta num instante? Era suposto ter tirado um dia inteiro para estar na loja a testar o telemóvel de exposição e certificar-me que ele era suficiente para as necessidades da minha mãe?

   Em Portugal. de facto os consumidores estão muito desprotegidos, fazem de nós parvos. Mas a loja também não fica a ganhar, para além de não comprarmos lá mais nenhum equipamento de electrónica ou electrodoméstico e não a recomendarmos a ninguém, vamos fazer reclamação no livro de reclamações online. Não esperamos reembolso ou troca por outro produto, mas queremos que mudem a forma de agir e sejam transparentes com os clientes quanto às condições (que procuramos posteriormente no site deles e também não estão lá).