Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Brainstorming 2.0

Um blog que é basicamente um consultório de um psicólogo onde se fala de tudo sem restrições ou medos.

Brainstorming 2.0

Um blog que é basicamente um consultório de um psicólogo onde se fala de tudo sem restrições ou medos.

Agora que 2023 está a terminar

   Como em tudo, teve acontecimentos muito bons e acontecimentos muito maus e muitas coisas imprevisíveis:

  • Passámo-nos com os nossos ex-vizinhos e as contas astronómicas de electricidade e gás. E depois de sairmos do apartamento ainda nos passámos com o senhorio que nos queria cobrar mais dinheiro porque disse que o apartamento não tinha ficado em bom estado. Ficou-nos com a caução e já foi muito bem servido.
  • Comprámos casa: Sem dúvida o ponto mais alto deste ano, acho que nenhum de nós pensou que fosse acontecer tão rápido mas decidimos que era o melhor a fazer e ainda hoje quando perguntamos um ao outro "já te arrependeste de comprar esta casa?", a resposta tem sido sempre não e esperemos que continue a ser!
  • Fomos a Roma, era um dos locais que mais queria visitar, gostei imenso mas não foi uma cidade onde dissesse "vivia aqui facilmente". E vim de lá com uma dor no joelho que demorou 3 semanas a passar e que me fez usar gel para as dores musculares pela primeira vez na vida, o facto da primeira vez ser aos 31 anos, não é assim tão mau.
  • Fomos a Nice, não estava na minha lista mas adorei! E foi uma daquelas cidades em que pensei "vivia aqui facilmente".
  • O pai do moço faleceu e este foi o pior momento do ano, sem dúvida alguma.
  • A saúde do meu avô degradou-se bastante e creio que 2024 não será melhor.
  • Li mais, algo que me deixa muito feliz porque já há alguns anos que este hábito tem vindo a deteriorar-se pela falta de tempo mas agora com o Kobo que o moço me ofereceu, penso que vou conseguir ler ainda mais.
  • Vi séries, mais do que o habitual, e as que mais me marcaram foram Ted Lasso e The Office, esta última ficou no meu top de séries de sempre.
  • Iniciei-me no mundo dos podcasts, foi preciso o Ricardo Araújo Pereira lançar um para eu ganhar o hábito.
  • Ouvi menos música, o Spotify Wrapped que o diga, e quero dar a volta a esta situação porque eu preciso de música na minha vida para funcionar decentemente.
  • Eu e o moço completámos meia década juntos!
  • Comecei a pintar o cabelo em casa e correu melhor do que pensava por isso é para continuar!
  • Apanhei Covid e deixou-me de rastos.
  • O carro deu mais problemas que o habitual, também vai fazer 14 anos e completou há um mês 250000km, mas espero que dure mais uns anos, só para ver se abatemos mais uma parte do empréstimo da casa antes de ser obrigada a comprar outro carro.

   Devem-me ter escapado umas quantas coisas aqui pelo meio, mas no geral, 2023 foi isto.

É "só" mais um esforço

   Despediram uma colega minha e a equipa ficou desfalcada metade do mês de Dezembro. Entretanto já arranjaram substituta mas só pode começar a meio de Janeiro e depois entretanto tem vários dias em que vai para formação. Então existem vários dias no horário em que só estão 2 pessoas a trabalhar e a fazer horário alargado para cobrir o funcionamento da loja. Mas a responsável em vez de nos colocar a trabalhar 9 horas e depois as horas a mais ficarem em banco de horas, colocou-nos a fazer 2 horas de pausa. Só no meu caso são 5 dias em que isto acontece e como não moro perto do trabalho, não me compensa ir a casa e tenho obrigatoriamente de ficar lá à espera que o tempo passe. É mais uma hora por dia que não entra para banco de horas para poder gozar noutra altura, não é paga, é simplesmente uma perda de tempo.

   E a resposta da responsável foi que temos de ter paciência, que não dava para fazer banco de horas porque eram muitas horas para depois nos dar a gozar e que é "só" nesta altura mais difícil. Esquecem-se é que desde que entrei há pouco mais de ano e meio, foram só alturas difíceis em que nos "espremeram" ao máximo: primeiro era porque a maioria das colegas não sabia ótica e era preciso assegurar horário nos dias de consulta, depois foi porque a colega que estava a fazer a substituição da licença de maternidade foi embora e só faltava um mês e meio para a colega regressar e não iam colocar mais ninguém, depois a colega regressou e estava com licença de amamentação e só fazia manhãs e trabalhava só 6 horas por dia, a seguir ainda colocaram mais uma colega em licença de amamentação e ainda por cima não trabalhava nada. E agora é isto. A questão é, não fosse o ter de pagar a casa e aqui pagarem um pouco melhor que num escritório, eu ponderava mudar. A sério. Porque já me "espremeram" demasiado.

O Inverno e as malditas das frieiras

   Desde que entrei no mercado laboral (será coincidência ou consequência?) que todos os anos ganho frieiras. Aparecem principalmente nas mãos e sobretudo na mão direita. Creio que o motivo é a má circulação sanguínea. Não é um problema grave mas é debilitante, acordo de manhã já com os dedos da mão inchada e a latejar, mal os consigo dobrar e qualquer coisa que toque nas frieiras é o suficiente para me fazer gritar de dor. Já ando a usar luvas (sim, até em casa), a colocar cremes nas mãos e não sei que mais fazer para resolver isto, sendo que estou a evitar ao máximo recorrer a medicação oral. Alguém tem uma solução milagrosa para esta questão?